Bem-Vindos....

Bem-vindos todos os desavisados e os mais avisados...Que estejam com as mentes e as pedras em prontidão para se lançarem ao pequeno Universo de Idéias que os convido a permanecerem só um pouco...

Saturday, March 29, 2008

Na Certeza da Incerteza

Não sabia que isso poderia acontecer, mas aconteceu. Nunca estive tanto a mercê, só que fiquei. Tudo teve um motivo meticulosamente arquitetado na insensatez da vida, seja pelo jogo que os deuses resolveram apostar as fichas ou nas cartadas que cada um de nós deu. Você apareceu no tempo certo trazendo consigo a incerteza do novo. Enquanto eu ali permaneço com a certeza do que sinto. Te chamo por apelidos; por apelidos sou chamado. Tenho uma vida inteira para te mostrar e quero ser apresentado ao cenário que você pintar seja colorido ou em preto e branco. Tenho todas as formas para dizer que gostaria de amar você e ouvir ao acordar com o seu sorriso entre seus cabelos desalinhados, o mesmo. Cada dia o desejo de estar com você aumenta, cresce, toma forma. Se o futuro nos aguarda, é algo que vamos ver logo na esquina. Mas o certo é o presente que nos uniu. O resto será descoberto aos poucos, a cada movimento, a cada instante. Na certeza da incerteza. Na declaração simples, Pequena...

Sunday, March 09, 2008

O Sol na Cara

O Sol na cara. Rosto ardendo, olhos fechados. Os óculos ajudariam, se eu soubesse onde os tinha colocado. Sentado dentro do meu carro ouvindo um cd recém copiado de uma nova banda que deve ser a “maior sensação” até a próxima estação climática ou quando algum crítico desocupado investir seu precioso tempo em garimpar por aí. Tenho no pulso a saudade que devolvi. Entre tantos presentes que os anos trouxeram. Fiquei pensando que p* eu faço diariamente desde os meus tenros dias de adolescente. Meu fetiche por ser o agente 007 ou o super-herói de quadrinhos que acaba apenas desenhando os traços antipáticos, ridículos até. Sou esse João qualquer, um homem qualquer, sem diferença só semelhanças com a fraqueza masculina, o lugar comum. João. João de sobrenomes variados e variantes Silvas. Fico pensando na confusão que eu me meto, me meti e que provavelmente me enfiarei. Rabo à dentro.
Calor aumentando. Mudo a música por achar a anterior muito parada e a minha batida cardíaca precisa mais do que um acompanhamento. Precisa de uma perseguição sonora. Como sexo. Rápido, veloz, cadenciado, sincronizado, achando seu tempo, procurando pernas, lugares para se estar, procurar, mãos correndo de cima a baixo toda a anatomia do alheio. Calor subindo às alturas. Paixão. Um passo à frente e você está apaixonado. Num piscar de olhos, amando. Noutro sofrendo, fazendo sofrer. Toda a escolha tem um ferido. Alguém que tromba num poste. É um aprendizado. Lição de vida. O problema que sempre fui um aluno que pegava recuperação, dependência. A lição era apenas sabida para passar de ano.
Amor. Palavrinha difícil essa. Tão simples. Tão confusa. Complexa. Sádica. Num arranjo de idéias ela vira nome de uma Capital, de uma fruta, de uma ação bélica. Amor e desejo e paixão e...o que mais?! O que mais pode se esperar. Li que a humanidade é promíscua e a monogamia não nos pertence... Era mais ou menos esse o contexto. Amar e desejo e paixão e...o que mais?!
Risco com o dedo o painel do carro que está empoeirado, sujo, como muitos se sentem. Culpados. Com as dores do mundo. E o mundo é grande. Quem poderia ser o médico, o fisioterapeuta para endireitar tudo? Por isso que as pessoas buscam essa jornada infinita por satisfação. Seja por sexo, por dinheiro, por ganância, por egoísmo, pelos 7 pecados capitais. O carro está todo sujo. Poeira nos cantos, nos vidros, fios e mais fios de cabelos de quem sentou por ali. De todas as cores e tamanhos. Antes de ontem e depois de amanhã. Nesse tempo. Bato com palma da mão no estofamento e fico acompanhado com o pó que sobe com a luz do Sol que inunda todo o carro. Eu mergulhado no mar de pó e Sol. Calor aumentando; desejo idem. Esperando pelo motivo para sair dali.
Na pior das hipóteses vou sair daqui quando Sol estiver caindo no horizonte, uma das cenas mais lindas e melancólicas, e ir de braços abertos onde fantasia cria corpo, asas, e sentimento. Vou matar a fome da solidão não só com sexo, mas preencher as lacunas que procuro. O desejo que passa a perna no desejo. O Sol na cara. O beijo longo, o rosto contorcendo, movimentos da língua, respiração acelerada. Calor. Todo o meu calor é seu. Como o Sol na sua cara.

Sunday, March 02, 2008

FAMINTO

Você está faminto

Satisfazendo todas as suas vontades

É mais que desejo, eu sei

Suprir necessidades....



Hoje será o melhor dos dias

Onde sua fome irá acabar,

aquilo que lhe sacia

também nos consumirá



Feche os olhos

mergulhe fundo

Quando chegar até o fim

Recomece e devore tudo........