Bem-Vindos....

Bem-vindos todos os desavisados e os mais avisados...Que estejam com as mentes e as pedras em prontidão para se lançarem ao pequeno Universo de Idéias que os convido a permanecerem só um pouco...

Saturday, March 14, 2009

Sorria! É Apenas Uma Piada


Hahahahahahahaha!
A vida é uma piada. Uma piada que levamos a sério. Uma piada mortal para alguns, outras um punhado de dias envolvidos nos meses subseqüentes resumindo os anos que comemoramos aniversário. Uma longa e nefasta rotina. Mas bem humorada.
Todo o dia há algo que acaba acontecendo para interromper momentaneamente com os seus planos de “conquistar” o mundo. O seu mundo que toma forma toda noite naquele quarto cheio de livros, desenhos, rascunhos que planeja meticulosamente de maneira mirabolante o seu futuro no incerto presente. Daquele jeito que você construiu como um terrorista extremista, um ditador facínora ou por seu cérebro privilegiado, com toda a falsa modéstia que você tem por si. Pelo menos assim o considera num auto-retrato otimista. O golpe fatal no que chamam de destino. Mas como toda seriedade convive com a sua metade de insanidade e acabamos nos vendo diante dos deslizes. Ir à contramão dos fatos sofrendo com as inabilidades do acaso.
Nas manhãs ofegantes que ao abrir os olhos você coloca um café preto fervendo na boca, mostra na loucura dessa rotina a nossa opacidade de não nos comprometermos. No que tantos nos fazem crer em surpresas. Espontaneidade. Aquela sensação boa.
De tardes inglórias de pura inércia. O sedentarismo sendo o mais cobiçado parceiro do jogo de cartas que nos colocam na mesa verde com o pano rasgado. A comodidade como um alimento congelado que você engole sem vontade, mas por instinto de estar vivo diante da nova tela de LCD, assiste com ávido sabor, o desenlace da novela. E não percebe que ele próprio faz parte de mais um capítulo desse folhetim que a vida foi escrita. Aliás (bem) mal redigida, rasurada, borrada sempre com frases com reticências, três pontinhos e uma letra ilegível.
Em noites de completa falta do que fazer, aonde ir e o que esperar de diferente. Mas sempre surge algo no fundo do túnel, nem que seja o trem vindo na direção contrária. A situação se complica quando saímos dos trilhos ou ficamos presos entre eles com aquela pressão do que virá. Aguardando o final da piada.
E temos os momentos em que todos tropeçamos no meio fio e ficamos com as pontas dos pés nos equilibrando fazendo os passos de “moonwalker” de Michael Jackson com a sua fisionomia. Damos pequenos risinhos dos outros achando eles mais engraçados e eles dão e darão risadas histéricas olhando para você. A vida lhe proporciona isso rir de si mesmo, levar em conta as decisões mais difíceis com as atitudes mais infantis.
A cada dia rimos, rimos mesmo e vamos continuar rindo descontroladamente, chorando de tanto rir, ter dor no maxilar, dores abdominais, contraindo o corpo, curvando-se em meio à turbulência. Estaremos lá atrás da cerca de arame farpado dos problemas para aplicar uma piada com o primeiro que resvalar no piso acidentado. A vida remonta cada parte dessa tragicomédia em que vivemos, só nos cabe criarmos os diálogos. Mas para quê? Vamos fundo nessa história. Um filme mudo. Uma comédia pastelão. É apenas a vida.

Sunday, March 08, 2009

Respirando


Quando as lágrimas têm um motivo trazem no seu gosto, o sabor de uma boca.
Se ela cair na sua, você dirá um nome.
Será como uma assinatura. E ela sumirá na sua saliva, enquanto seu nome se repetirá diante dos seus olhos tantas vezes essas lágrimas persistirem.
Essas lágrimas têm uma razão.
Você queria que elas sumissem, mas elas só se escondem dentro de você. Lágrimas essas que você briga por elas e mesmo assim faz de tudo para elas secarem no seu rosto. Dissiparem no ar.
Lágrimas que respiram. Que afogam os seus poros. Que inundam o seu sentimento. Sejam de tristeza mais profunda, densa, obscura e sem saída. Sejam complexas e divinas de alegrias. As primeiras sempre marcarão mais como se talhadas à mão no seu rosto.
Quando o dia acaba você respira fundo. Entra num certo transe, uma catarse do mundo ao seu redor com os fatos que ocorreram no dia todo. Valores perdem-se com o seu enfado. Saudade e esperança tornam-se constantes palavras do seu vocabulário. Você afrouxa o nó da garganta e abre muito mais que o botão que o sufocara. Uma sensação se apossa do seu corpo. Você pensa em todas as soluções, mas os problemas mais difíceis têm em sua mente caminhos longínquos.
Queria que fossem artificiais, programadas; que pudesse alterar seu sabor, adocicar sua boca. Mas não é. O gosto é único. O gosto é sabido. A saudade do infortúnio. A lembrança do desagravo. O conto mágico de fadas encerrando um final infeliz de príncipes moribundos e princesas perdidas; de reis sem tronos e rainhas sem coroas. Os duendes saltitantes ao seu lado cantam. As lágrimas tornam-se poções de longevidade. Nunca terminam. Nunca encerram seu ciclo.
E o sonho ainda perpetua criando mais chances para lhe mostrar que ainda há lágrimas. Respirando mais e mais a cada minuto...