Bem-Vindos....

Bem-vindos todos os desavisados e os mais avisados...Que estejam com as mentes e as pedras em prontidão para se lançarem ao pequeno Universo de Idéias que os convido a permanecerem só um pouco...

Thursday, November 26, 2009

FINALMENTE,VOCÊ VAI SABER SER FELIZ!


Nem que você tenha que colocar a casa abaixo procurando pelo que sempre (e algumas vezes você achou que nunca) esteve por ali em cima dos livros, cds, dvds e um punhado de quinquilharias. Finalmente você vai saber ser feliz.
Quando sua maior atitude foi quebrar janelas, jogar cadeiras na parede, você viu que há muito mais do que reação em cada ação. Não fazer nada também se torna um gerador de ocasiões. Mas você faz isso por querer ser feliz. E temer também. Nem sabe o que essa palavra quer dizer. Sinceramente, não diz nada se você não souber o que ela representa. Que sensação causa. O que completa. Satisfaz. Difícil arte de harmonia. Não é natural do ser humano ser harmônico. Mas para você conhecer esse “estado” de estupor, de felicidade, você vai descobrir. Ser feliz. Feliz. Cidade, estado, sensação, coisa, pessoa, sentimento....Complete o questionário que quiser fazendo a co-relação, não pela conveniência, mas pelo seu significado.
Passou muita coisa nessa corredeira que chamamos de vida. Seguimos por atalhos e por diversos rios. Quase nos afogamos. Seguramos na margem em algum galho. Olhamos para trás, mas desviamos o olhar para não ficarmos como as pessoas que viraram estátuas de sal. As circunstâncias foram tão “idiotas” que tudo poderia ser diferente, mas não irá mudar de um dia para outro; se souber esse truque, me ensine.
Teve um momento que todos passamos em não dar o passo para frente. Só que o impulso nos alça. Isso depende de cada um. Há quem não dê importância; outros vivem para isso. Tudo isso para ser feliz. Por isso você tem que saber bem o que é. Sem buscar clichês.
Um dia, só num dia, você terá para ser feliz e agora sem pensar diga para si o que faria. Como fará. Espere alguns segundos. Pense mais um pouco. Se tiver a resposta, congratulações. Se precisar de mais tempo é porque você ainda está à procura como um caçador à espreita. Dessa vez há o porém de estar totalmente desarmado.
É um aprendizado contínuo que lhe deixa em recuperação volta e meia aplicando provas, testes e perguntas freqüentes. O objetivo disso tudo é que você descubra onde está a sua felicidade. Feliz, feliz, feliz. Uma simples palavra que é mais que uma palavra. Um adjetivo. É mais que isso. É a essência de tudo. Onde tudo se intercala, todos os sentimentos se conflitam, lutam e se encontram. A sua simplicidade está na nossa complexidade. Sua simplicidade é um luxo a ser conquistado.
Tudo isso para que você finalmente saiba como ser feliz. É uma lição dura para alguns. Do jeito que você descobrir seja feliz e finalmente, acabará ensinando alguém esse pequeno truque. Abracadabra!


Monday, November 02, 2009

O Soberano em seu Castelo de Areia




Um Imperador com tantas histórias; daquelas que estão do outro lado da rua, sobre o vizinho que mal você vê, que nem o cumprimenta, que troca gentilezas frias no elevador.
O soberano, rei, o imperador, em seu próprio castelo adorava passar os anos em seus salões enormes, revestidos por paredes lisas e cortinados que iam do teto até o chão. As vidraças acompanhavam do teto até esconderem-se pelas cortinas. O Sol invadia os salões iluminando as manhãs e as tardes. O luar era convidativo dando o mesmo esplendor. O ponto alto estava nas luzes dos imensos candelabros que davam o brilho aos convidados em suas danças intermináveis. E mesmo quando se armavam vendavais, ali todos se asseguravam na força do castelo e no pulso forte e seguro do Imperador.
O Imperador ficava com seus olhos indo e vindo numa panorâmica, ao seu bel-prazer. Colocava a mão no queixo distribuindo sorrisos. Ele vivia os sonhos por ali. De amigos, conhecidos, vitórias e esquecia suas derrotas. Porém o tempo estava com pressa e trazia tormentas mais seguidas.
Numa dessas, as vidraças estremeceram. O medo tomou conta do semblante alegre dos convidados que se amontoavam pelos cantos dos enormes salões, tentando proteger do que se aproximava. O vento tinha tamanha força que seu uivo tornou-se um agudo grito. O Imperador olhava atônito para fora meio desconfiado, com medo e perdido. Procurava os convidados e os via cada vez mais longe. Ergueu-se de seu trono firmando os calcanhares e apontou a saída a todos com a intenção de que fosse para algum lugar mais seguro, mesmo ele achando que ali sempre fora o mais intocável.
Ao olhar para cima sentiu em seu rosto uma grande quantidade de pó caindo. Esfregou as bochechas, a testa e a textura porosa do pó o fez ver que era areia. O castelo balançava. Ele tentou caminhar alguns passos, mas tropeçou logo no segundo. De joelhos, pensou no sobrenome que o persegue. “Esperança”. Porque esse sobrenome? Porque seu amor tem nome próprio e a esperança é o acompanhamento dessa alegria, dessa felicidade ao juntar os dois. O seu castelo estava firmado em cima disso. Desse nome completo. Ele achava, sinceramente, que seu castelo tinha bases mais fortes, mais resistentes. Que a alegria seria eterna. Que ela ressurgiria de braços abertos e ali morreria passando sobre todos os feridos de diversas batalhas. Mas o castelo estava se desmoronando e ele, o Imperador, com toda sua magnitude, não conseguia colocar ao seu lado, do seu trono, toda a sua vida. A alegria.
Ele ficou em pé. Foi a passos lentos até a janela que tremia sem parar pelo vento e a tempestade que castigava o vidro com a chuva feroz. Abriu as portas. E caminhou para dentro da tempestade. Abriu os braços. Murmurou um nome e sobrenome. Sorriu no mesmo instante que as lágrimas misturam-se a chuva. Seu castelo afundou dentro dele. Ele ainda aguarda que o ouçam. Quem ele chamou para reconstruir seu castelo. Mesmo que ele tenha que repetir isso todas vezes, todos os dias....