Bem-Vindos....

Bem-vindos todos os desavisados e os mais avisados...Que estejam com as mentes e as pedras em prontidão para se lançarem ao pequeno Universo de Idéias que os convido a permanecerem só um pouco...

Tuesday, February 14, 2012

BLUES


Hoje peguei todas as canções que escrevi e coloquei fogo nelas.
Principalmente aquelas que ainda estão na minha cabeça. Que foram feitas no calor da raiva, no ápice da paixão ou nos frios momentos de tristeza. Saíram tão cruas quanto fortes. Tão simples quanto complexas. Elas saíram. Soaram por aí. Dividiram mundos, sonhos, bocas, camas e com certeza, sentimentos. E o pior de tudo que ainda estão lá com suas melodias grudentas com refrões repetitivos que mesmo com nossas lágrimas, elas espalham suas notas trazendo consigo lembranças e esperanças.
Eu sempre escrevi melhor sofrendo do que feliz. Quis ser a estrela de um show só para tantas pessoas e acabei querendo para minha platéia, uma. No fim da carreira artística desse meu Universo amplo, eu descobri que no passar dos anos e na sincronia dos ritmos, eu só tive duas pessoas que representaram todas as músicas. Uma trouxe muito mais influência e a outra trouxe ingredientes novos. Audição de poucos ouvidos. E também de poucos olhos, coração e alma.
Não soube valorizar nenhum dos lados. E valorizei por todos os lados. Quis muito mais do que querer. Fiz muito mais do que querer, o simples querer. Tive várias paixões, uma dezena de flertes, uma centena de “não sei muito bem o quê” e dois amores.
Pode-se imaginar numa grande mesa de apostas abertas, quem eu amei mais. Não, não é essa a questão. Amo. Amei. Amo. E não queria mais. Mas está lá no meio das canções, das frases rimadas, das idéias claras, das entrelinhas, das mensagens só cabem para quem as viveu. Porém, a platéia se foi. Não há nenhum amor sentado na primeira fila. Há rostos novos, sentimentos se apresentando em seus números pirotécnicos que eu não quero ver. Já os vi melhores.
Hoje eu peguei meus cadernos, folhas soltas, bilhetes, CDs, documentos, frases no ar, pensamentos contidos e coloquei fogo neles. Minha cabeça gira fervilhando e meus olhos correm em disparada de uma faixa a outra de um vinil que só meus ouvidos têm a precisão de sentir seu compasso a cada respiração minha.
Agora sim, sim, eu amei mais. E ainda amo. Mesmo que omita, esconda. Eu não vou me expor nem mostrar a ferida que não cicatriza. Os fogos de artifício caem sobre minha vida e apenas soam como placebos para todos e quaisquer questionamentos. Está no meu olhar. No meu jeito. Algo assim pela metade. E como um “blues”, eu crio mais uma canção sob essa chuva incandescente que não me aquece. As canções continuam sendo escritas e cantaroladas fazendo eco.

Wednesday, February 01, 2012

Em Paz...


O passado deveria ser o ponto de partida para o futuro. O momento de seguir seria o ajuste de contas, a paz entre esses dois tempos da vida. Porém, não basta ter a vontade para que isso aconteça.
O momento de cada um difere desde o seu início, esteja no ato que cometera, no verbo passado, no presente passando ou num futuro passivo a tudo isso, nós dependemos de como chegamos até esses pontos. Onde estão os pontos de ligação imaginários nessa imensa página em branco. Rasuramos, apagamos e perdemos informações, mas (e de tantos mas), nos deparamos com a ausência da certeza. O que foi feito nós sabemos agora; antes quando ocorrera não tínhamos a clara noção. O Hoje é breve e o amanhã uma teoria, apenas.
E como vivemos na prática nem tudo que bolamos sai como planejado. 80% do acaso se desfaz com essa sutileza encarnada. Sofremos. Fazemos sofrer. E sofremos por isso. Ninguém é tão ruim assim. Ninguém. Réu confesso. Réu injustiçado. RÉU.
Mas como acima lido, todo mas possível, até chegar ao seu limite e descobrirmos que a partir daí defrontamos com o impossível. Torna-se um viral que corre diante de todos nós.
Quem quer fazer as pazes com o passado para que o futuro esteja em paz?! Aproxime-se, pegue uma senha, aguarde na fila e quando lhe chamar esteja pronto. Para o que der e vier. Só tenha convicção que não será algo tão fácil assim.