Bem-Vindos....

Bem-vindos todos os desavisados e os mais avisados...Que estejam com as mentes e as pedras em prontidão para se lançarem ao pequeno Universo de Idéias que os convido a permanecerem só um pouco...

Monday, October 06, 2014

INTENSIDADE

               
           Não se falam muito, mas o que se ouve é a respiração forte de ambos. Alto. Intenso. Quase um terceiro corpo. Cabelos suados misturados na pele oleosa. Mãos agitadas  movendo a cabeça e os lábios agarrando-se uns aos outros sorvendo a saliva e um pouco de sangue. Não há um ruído sequer ao redor. Mesmo que a cidade esteja grunhindo com veemência pelas suas veias. Eles não se importam. Só se importam com o desvarios de seus desejos. Dessa paixão que os come vivos. Que os deixam vivos.
         Ele a pega pela nuca e a encara entrando na profundeza de seus olhos, duas esferas brilhantes que o eleva ao patamar de êxtase. Ele a xinga. A elogia. A ama. E ela sorri e o esbofeteia com a palma da mão aberta e com as palavras correndo pela saliva a cada beijo. Arrepios causados pelos toques cheios de furor de dedos tesos, obedientes e despudorados.
          As mãos se perdem pelos corpos. Seios abocanhados. Mordidas em zonas erógenas. Mergulhos de bocas abertas no sexo alheio. As palavras não existem. A respiração sempre é um ponto à mais chegando a limítrofe da resistência física. O movimento é único. Um leva o outro de acordo com o embalo de seu corpo. Músculos rijos contraindo-se nas cinturas. Pernas erguidas, mãos agarrando forte, aceleração do atrito da pele.
         Tudo indo muito rápido. Rápido como um carro desgovernado em direção a um penhasco. A sua queda após romper com a mureta de proteção é o ápice com os corpos soltos, cabeças esvoaçantes, gritos, gemidos, adrenalina liberada entre o medo e o prazer até consumar-se com o choque dessa jornada finita, onde surge estampados nos rosto dos sobreviventes, sorrisos esbaforidos.
        Mas o mundo gira devagar. O efeito borboleta gera impacto nos mares do hemisfério norte. A natureza em fúria se esbalda na beleza de sua intensidade. Uma estrela cadente corta os céus do litoral. Pequenos meteoritos caem à esmo pela Terra quase imperceptíveis. Animais minúsculos proliferam em cada canto. Micróbios infectam e reproduzem-se numa série sem fim. O mundo não para, mesmo quando eles estão já desfalecidos. Eles são o mundo nesse instante.
        A intimidade ainda permanece não mais como um torneio competitivo para conquistar o corpo do outro sobrepujando-o pelo prazer, numa sensação de vitória, mas no carinho afetuoso de entrega além do desejo. Um afago tenro que circula partes e completa o todo do momento. Carícias que outrora os guiavam, agora são trocas gentis de carinho e reciprocidade em olhares silenciosos. Dedos, antes sem pudor, ficam entrelaçando-se com delicadeza. Beijos enlouquecidos são desferidos com suavidade.
       Eles ali nus intensos. Vivendo sentimentos em busca do que virá. Trazendo com sigo as certezas de todas as dúvidas que os fazem temer. Que não permitem querer compromissos. A respiração aumenta novamente com as mudanças do efeito borboleta. Corpos ouriçados em defesa e prontos para o ataque. A paixão aflora como escudo de um amor que provoca com intensidade.

         Permitam-se. Caiam do penhasco.